Notícias

Belém sedia o Encontro das Cidades Criativas da Unesco

Postado em 06 de novembro de 2017 por Isa Arnour em Sem categoria

 

Belém vai sediar, de 7 a 11 de novembro, o Encontro das Cidades Criativas da Unesco, evento internacional que, pela primeira vez, será realizado no continente americano. Os sabores regionais são o centro da programação, que trará à capital do Pará chefs de diversas regiões do mundo para conhecer nossa tradição gastronômica e cultural.

Apenas cinco cidades realizaram o Encontro da Unesco: Gaziantep, Turquia (fevereiro de 2016), Phuket, Tailândia (abril de 2017), Parma, Itália (maio de 2017), Bergen, Noruega (agosto de 2017), Dénia, Espanha (setembro de 2017). Belém será a sexta cidade do mundo a sediar o evento.

Com uma das culinárias mais autênticas do planeta, ao aliar a influência portuguesa à indígena e africana, Belém traz no paladar ingredientes da exuberante floresta amazônica e vê sua identidade e história conectadas diretamente a essa profusão de sabores: ervas, jambu, tucupi, peixe, açaí, cupuaçu, camarão, bacuri, castanha e pimentas de cheiro.

Estratégias para potencializar negócios e a sustentabilidade no setor da culinária na região são o foco do Encontro, o primeiro grande evento que será realizado após Belém ter conquistado o título mundial de Cidade Criativa da Gastronomia pela Unesco, em 2015, concedido a apenas 18 localidades em todo o mundo.

Para o Encontro realizado em Belém, está confirmada a participação de 16 representantes da Unesco vindos da China, Líbano, Colômbia, Estados Unidos, Suécia, México, Coréia do Sul, Irã, Itália, Espanha e Turquia. Quinze chefs convidados, entre brasileiros e estrangeiros, também estarão presentes.

“Fazer parte da Rede das Cidades Criativas da Unesco integra Belém a uma comunidade internacional em uma promissora e intensa troca de conhecimento, experiências e de negócios”, destaca João Cláudio Klautau, coordenador do Comitê Cidades Criativas da Unesco.

 

Cidade Mundial da Gastronomia

 O Encontro busca impulsionar toda a cadeia produtiva do setor gastronômico, desde os pequenos produtores de insumos orgânicos, as indústrias processadoras e exportadoras de alimentos, até chegar às mesas de bares, restaurantes e hotéis.

“Um evento desta grandiosidade e inédito nas Américas coloca Belém na vitrine do mundo. Reunir especialistas internacionais aqui para pensar caminhos de estimular o setor da culinária fortalece o setor, atrai turismo e estimula a qualificação do mercado, para que a gente produza com mais qualidade, atenda ainda melhor e compreenda nossos pontos fortes no mercado estrangeiro”, pontua Klautau.

Neste sentido, o Encontro integra uma ampla rede de chefs paraenses que participarão do Circuito Gastronômico Cidade Criativa. Mais de 30 restaurantes de Belém irão oferecer pratos exclusivos, criados para o evento, que valorizam ingredientes locais.

“Temos uma joia rara, uma pérola, e precisamos nos apropriar disso, porque é nosso, é nossa história, senão virão outras pessoas e se apropriarão”, destaca Fábio Sicilia, diretor da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Pará (Abrasel).  Para o chef do restaurante Famiglia Sicília, o evento marca a oportunidade de o Pará ser reconhecido mundialmente pela sua gastronomia e fortalecer seu mercado.

“Teremos a oportunidade de entender como os olhares e os paladares estrangeiros percebem nossa culinária, e como podemos ‘vender’ melhor, qual formato é mais atraente, e nos qualificarmos para atender a todos os públicos, aquele que prefere uma versão mais ‘inovadora’ dos pratos, e aquele que prefere a versão mais ‘tradicional’”, diz Sicília.

 

Programação

Realizada pela Prefeitura de Belém com apoio do Governo do Estado, a imersão culinária e cultural contempla uma diversificada programação, que levará a comitiva da Unesco para conhecer a produção ribeirinha de alimentos, apresentará a pluralidade de cheiros e sabores do Ver-o-Peso, a cultura indígena e a riqueza musical do Pará.

A abertura do Encontro das Cidades Criativas da Unesco será realizada no Palácio Antônio Lemos no dia 7 de novembro, com show de Dona Onete e apresentação da Banda da Guarda, com repertório do Maestro Waldemar Henrique.

No dia 8, a comitiva segue de barco até a ilha do Combu, onde conhecerá a cadeira produtiva da mandioca e do cacau, além de conhecer a cultura dos índios Tembé e Kayapó. No Ver-o-Rio, povos indígenas apresentam sua cultura com danças, artesanato e pintura. Aberta ao público, a noite segue ainda com show de carimbó e escola de samba.

 

SOBRE O DESAFIO DOS CHEFS
Dia 9 haverá o workshop “O que a biodiversidade oferece para gastronomia e o que a gastronomia pode fazer para a biodiversidade?”, no Pólo Joalheiro. Em seguida, será realizado um dos momentos altos da programação, o “Desafio ao vivo de chefs – Cooking Show”, que reunirá chefs internacionais da comitiva da Unesco a chefs paraenses e outros convidados de diversas regiões do Brasil. Os chefs visitantes terão que cozinhar usando ingredientes típicos do Pará e de outras regiões do mundo, criando, ao vivo, pratos inusitados e inéditos.

Aberto ao público, o evento é organizado pela chef Ângela Sicília, do Pará. A dinâmica consiste em seis duplas de chefs, cada dupla composta por um chef brasileiro e um estrangeiro. Cada chef irá indicar para o outro um ingrediente da sua nacionalidade, e eles terão de criar pratos a partir desse elemento. Roberto Smeraldi, do Instituto Atá, de Alex Atala (SP), vai responder pela equipe científica do Desafio, contanto sobre a origem dos alimentos que serão mostrados e comentando sobre sua importância para a biodiversidade de cada localidade.

Já temos confirmadas a participação de 15 chefs para o Cooking Show: Edinho Engel (Salvador, Brasil),  Saulo Jennings (Santarém, Brasil), Ângela Sicília (Belém, Brasil), Ofir Oliveira (Belém, Brasil), Daniela Martins (Belém, Brasil), Paulo Anijar (Belém, Brasil), Arthur Bestene (Belém, Brasil), Isabel Hagemann (Florianópolis, Brasil), Miguel Bahena (Ensenada, México), Brian Smith (Tucson, Estados Unidos), Johan Gavelin (Ostersund, Suécia), Ibrahim Doga (Gaziantep, Turquia),  Seyed Morteza Rahimi Moghaddam (Rasht, Irã), Xing Qiao (Chengdu, China) e Praewpayom Aikwanich (Phuket, Tailândia).

No dia 10 a comitiva conhecerá o maior mercado a céu aberto da América Latina. A programação no Ver-o-Peso promoverá ainda um intercâmbio dos chefs com as boieiras da feira. A cantora Fafá de Belém encerra a noite com show aberto ao público no Portal da Amazônia, com carimbó e guitarrada

No último dia do Encontro, 11, o grupo visitará o Parque do Utinga e o Festival Fartura, que reúne produtores, mercados e chefs para provar novas receitas e também pratos típicos de diversas cidades do Brasil.

 

Sobre a rede de Cidades Criativas da UNESCO

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) criou em 2004 sua Rede de Cidades Criativas para promover a cooperação entre as cidades que identificaram a criatividade como um fator estratégico para o desenvolvimento urbano sustentável. A rede alia-se à Agenda para o Desenvolvimento Sustentável 2030 e seus objetivos são:

– Estimular e reforçar as iniciativas lideradas pelas cidades-membros para tornar a criatividade um componente essencial do desenvolvimento urbano através de parcerias entre os setores públicos e privado e a sociedade civil;
– Fortalecer a criação, produção, distribuição e divulgação de atividades, bens e serviços culturais;
– Desenvolver polos de criatividade e inovação e ampliar as oportunidades para criadores e profissionais do setor cultural;
– Melhorar o acesso e a participação na vida cultural, bem como o aproveitamento dos bens e serviços culturais, nomeadamente para os grupos e indivíduos marginalizados ou vulneráveis;
– Integrar plenamente a cultura e a criatividade no desenvolvimento de planos e estratégias locais.

Para atingir os objetivos da rede, as 116 cidades de 54 países que a integram comprometem-se a trabalhar conjuntamente, compartilhar suas melhores práticas e a buscar desenvolver parcerias públicas, privadas e com a sociedade. A rede abrange sete áreas criativas: artesanato e folclore, mídia, cinema, design, gastronomia, literatura e música.

O Brasil possui 5 cidades na rede atualmente: Belém (gastronomia), Salvador (música) e Santos (cinema) desde 2015, Curitiba (design) e Florianópolis (gastronomia) desde 2014.

O título concedido a Belém tem a finalidade de impulsionar o turismo gastronômico, a sustentabilidade, o intercâmbio de informações, além da pesquisa e geração de emprego e renda.Como Cidade Criativa, a capital do Pará passa a integrar uma rede de cidades que buscam desenvolvimento de maneira sustentável e de modo socialmente justo.

A conquista foi resultado de um trabalho intenso da Prefeitura de Belém, em parceria com o Governo do Estado e outras entidades representativas do setor, tais como Instituto Paulo Martins, Centro de Empreendedorismo da Amazônia e Instituto Atá, que se uniram no propósito de oficializar não só a culinária, mas toda a cultura gastronômica de Belém como referência global. A candidatura da capital paraense teve o apoio do Itamaraty, Confederação Nacional do Turismo e Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

 

 

Fonte: Gaby Assessoria de Comunicação